Criada em 14/08/2019 às 08h55 | Agricultura

Classificado com nível de "alto risco" por focos registrados no Estado do Pará, Tocantins monitora mosca da carambola

Há 100 armadilhas instaladas em todas as regiões do Tocantins, informa a Adapec, que assegura: a praga está ausente, porém, a Agência mantém o monitoramento das armadilhas nos polos de fruticultura a cada 14 dias onde é feita a substituição do feromônio e troca do piso adesivo.

Imagem
Adapec realizou monitoramento em Porto Nacional nessa terça; em 2018, 574 quilos de frutas e verduras com suspeita de hospedarem a mosca da carambola foram apreendidos em portos e aeroportos da capital paraense e de Santana (foto: Delfino M

Classificado na Instrução Normativa do Ministério da Agricultura nº 28/2017 com o nível de “alto risco” por fazer divisa com o Estado do Pará, o Tocantins, por meio da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Tocantins (Adapec), monitora a presença da chamada mosca da carambola em seu território. O Pará possui algumas regiões produtoras com a presença da praga. Em 2018, 574 quilos de frutas e verduras com suspeita de hospedarem a mosca da carambola foram apreendidos em portos e aeroportos da capital paraense e de Santana.

No Tocantins, conforme a Adapec, há 100 armadilhas instaladas em todas as regiões. Nessa terça-feira, dia 13, o monitoramento foi realizado no Projeto de Fruticultura São João. Conforme a agência, trata-se de um monitoramento de rotina em armadilha da Bactrocera carambolae, que é uma praga quarentenária presente que ataca espécies frutíferas e pode causar grandes prejuízos econômicos.

O monitoramento da praga é feito por meio de armadilhas instaladas em pontos estratégicos em todo o Estado. De acordo com o Responsável Técnico pelo Programa Estadual de Fruticultura da Adapec, Helcids de Sá Reis, no Tocantins a praga está ausente, porém, a Agência mantém o monitoramento das armadilhas nos polos de fruticultura a cada 14 dias onde é feita a substituição do feromônio e troca do piso adesivo.

“O polo de fruticultura do São João é um dos produtores de fruta que abastece a nossa capital, por isso, monitoramos a mosca da carambola para mantermos o status de área sem ocorrência da praga, permitindo que os produtores comercializem suas frutas com qualidade e sem perdas econômicas”, destacou o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha. (Com informações da Adapec)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário