Criada em 01/07/2019 às 12h05 | Pecuária

Redução do rebanho bovino faz frigoríficos ficarem ociosos e Tocantins deixa de preencher 10 mil postos de trabalho

“É um atraso para a industrialização e geração de emprego e renda, pois as indústrias poderiam ter gerado, no mínimo, 10.000 empregos diretos. Sem falar no restante da cadeia produtiva da carne”, afirmou o presidente do Sindicarnes, Oswaldo Stival Júnior, que lamenta a situação no Estado.

Imagem
O rebanho bovino tocantinense registrou perda de 362.924 animais em pouco mais de dois anos (foto: Adapec/Divulgação)

Noticiada com exclusividade pelo Norte Agropecuário na última semana, a diminuição do número do rebanho bovino tocantinense gera ociosidade nos frigoríficos e pior: evita a ocupação de 10 mil postos de trabalhos no Estado. O número foi citado pelo presidente do Sindicato das Indústrias de Carnes Bovinas, Suínas, Aves, Peixes e Derivados do Estado do Tocantins (Sindicarnes), Oswaldo Stival Júnior.

Para ele, a situação provoca “atraso para a indústria”. “O rebanho diminuiu, pior não cresce como nos Estados vizinhos. É um atraso para a industrialização e geração de emprego e renda, pois as indústrias poderiam ter gerado, no mínimo, 10.000 empregos diretos. Sem falar no restante da cadeia produtiva da carne como lojas veterinárias, fábrica de sal mineral e tantos outros integrantes da cadeia produtiva que, sem dúvida, poderiam estar no mesmo crescimento”, disse, em entrevista ao site Atitude Tocantins, de Gurupi, sul do Estado.

VEJA TAMBÉM

Rebanho bovino tocantinense registra perda de 362.924 animais em dois anos

CLIQUE AQUI E VEJA O LEVANTAMENTO COMPLETO DO REBANHO BOVINO DO ESTADO

LEIA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE REBANHO BOVINO TOCANTINENSE

SAIBA MAIS SOBRE A PECUÁRIA NO ESTADO DO TOCANTINS

Conforme apuração exclusiva do Norte Agropecuário, o rebanho bovino tocantinense registrou perda de 362.924 animais em pouco mais de dois anos. Para governo do Estado, redução é questão “mercadológica”. Já o presidente do Sindicarnes, afirmou que resultado significa “perda irreparável para a economia do Estado e para todos da cadeia produtiva”.

Outra liderança que manifestou preocupação com a situação é o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (Fieto), Roberto Pires. “Preocupante essa situação. A indústria frigorífica opera com apenas 70% da capacidade”, disse ao Norte Agropecuário.

Ainda em entrevista ao Atitude Tocantins, Stival informou que “mudanças na política voltadas para evitar a retirada dos bovinos do Tocantins e correção no valor da pauta fortaleceria os frigoríficos e aumentaria a geração de empregos”.

Tags:

Comentários

{{c.nome}}
{{c.comentario}}
{{c.dataCriacao}} às {{c.horaCriacao}}

Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário