Criada em 05/12/2019 às 11h22 | Exportações

Com crescimento de 28,14%, exportações de carne do Estado do Tocantins já movimentaram US$ 167,2 milhões neste ano

Em 2018, o Tocantins vendeu 34.422 toneladas, uma receita de US$ 120,9 milhões, o que corresponde a 2,3% do total dos produtos vendidos ao exterior. Já, neste ano, foram 48.420 toneladas, o que resultou em movimentação de US$ 167,2 milhões.

Imagem
O país enviou para o exterior 1.681.9991 toneladas e a receita chegou a US$ 6,73 bilhões, num crescimento de 13% em volume e de 13% em divisas em relação ao ano passado (foto: Abrafrigo/Divulgação)

De janeiro a novembro deste ano as exportações tocantinenses de carne bovina (in natura e processada) resultaram em movimentação financeira na ordem de US$ 167,2 milhões (R$ 703,912 milhões na cotação desta quinta-feira, dia 5).  Foram, ao todo, 48.420 toneladas. Esses valores correspondem a 2,3% das exportações do produto no país. Já, em termos de receita, o aumento foi de 28,14% em relação ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, a quantidade vendida ao exterior foi 28,9% maior que janeiro a novembro de 2018.

Em 2018, o Tocantins vendeu 34.422 toneladas, uma receita de US$ 120,9 milhões (R$ 508,989 milhões), o que corresponde a 2,3% do total dos produtos vendidos ao exterior. Os números foram fornecidos pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) ao Norte Agropecuário.

O RECORDE

Com a movimentação de 180.251 toneladas em novembro, o que proporcionou uma receita de US$ 845 milhões, a exportação total de carne bovina (in natura e processada) está no rumo de bater todos os seus recordes históricos tanto em volume como em receita. Se o mês de dezembro registrar números semelhantes, o Brasil vai ultrapassar os US$ 7,2 bilhões de receita obtidos em 2014 e o volume irá se aproximar de 2 milhões de toneladas. No acumulado do ano, até aqui, o país enviou para o exterior 1.681.9991 toneladas e a receita chegou a US$ 6,73 bilhões, num crescimento de 13% em volume e de 13% em divisas em relação ao ano passado.

As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO) que compilou os dados da Secex do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), divulgadas nesta semana.

VEJA TAMBÉM

Economista aponta 4 fatores para aumento do preço da carne ao consumidor; ouça!

Com preços recordes do boi e da carne, novembro de 2019 deve ser lembrado por muitos anos pela pecuária nacional

Arroba do boi fecha dia com R$ 210 em Araguaína; aumento é de 3% em relação aos valores da semana passada no Tocantins

Descapitalizado, produtor reduziu o plantel, afirma liderança do agronegócio ao destacar defasagem de preço para os pecuaristas

“Não temos boi gordo e nem gado magro para reposição”, diz indústria; “Faltou carne este ano”, destacam supermercados

“É um momento de ajuste”, afirma ministra da Agricultura sobre altos preços da carne: “Essa euforia não continua”

CLIQUE AQUI E OUÇA OUTRAS EDIÇÕES DO PROGRAMA NA UFT FM

LEIA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE CARNE BOVINA NO NORTE AGROPECUÁRIO

CONFIRA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE A ABRAFRIGO NO NORTE AGROPECUÁRIO 

Em novembro de 2018, novembro registrou a movimentação de 158.240 toneladas com receita de US$ 617 milhões, o que significou um crescimento de 14% no volume e de 37% nas receitas em 2019, graças, sobretudo, a elevação dos preços no mercado chinês que responde na sua totalidade por 40% dos negócios do Brasil com o produto. Houve uma ampla recuperação nos preços: o valor médio da tonelada alcançou US$ 4.857,60, ante US$ 4.473,50 em outubro (+8,58%) e US$ 3.993,80 em igual período do ano passado (+21,6%).

O mercado chinês absorveu 42,2% de toda a movimentação de carne bovina brasileira até novembro. Por Hong Kong entraram 316.668 toneladas do produto, enquanto que pelo continente ingressaram 410.770 toneladas alcançando 727.430 toneladas, com receitas de US$ 3,18 bilhões. Em 2018, até novembro, o total exportado foi de 656.393 toneladas. O Egito foi o segundo maior cliente com 159.064 toneladas: o terceiro foi o Chile com 101.708 toneladas enquanto que os Emirados Árabes ficaram na quarta posição com 68.473 toneladas. Em quinto lugar ficou a Rússia com 65.756 toneladas. Segundo a ABRAFRIGO, até novembro 90 países elevaram suas importações enquanto outros 82 reduziram. Para 2020, a entidade prevê um crescimento nas exportações nas mesmas proporções (+10+) devido às dificuldades provocadas no mercado chinês pela peste suína africana e pela entrada de novos clientes como a Indonésia e outros países do sudeste asiático, além da esperada habilitação de empresas brasileiras para o mercado norte-americano. (Com informações da Abrafrigo)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário