Criada em 20/03/2020 às 18h13 | Pecuária

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

“A redução significativa dos impostos deve ser repassada ao consumidor. É momento de união, solidariedade e caridades com todos os irmãos, sejam produtores e população em geral para enfrentarmos essa grande crise de saúde pública e econômica”, afirmou o pecuarista Wagner Borges.

Imagem
O presidente do SRA, Wagner Borges, também citou a necessidade de equacionar a relação dos pecuaristas com os produtores (foto: SRA/Divulgação)

Diante do novo cenário e os reflexos a todos os segmentos produtivos e sociais causados pela pandemia de coronavírus, o presidente do Sindicato Rural de Araguaína (SRA), Wagner Martins Borges, voltou a defender a necessidade de diálogo sobre uma questão do setor agropecuário, mas que pode refletir na sociedade em geral: aumento do ICSM dos frigoríficos do Tocantins. 

A nova alíquota para as indústrias passará de 1% para 4% a partir desta sexta-feira, dia 20. Até o momento, apesar de apelos dos pecuaristas, o Palácio Araguaia não deu sinais de que vai rever a decisão. Com o reajuste, alguns frigoríficos planejavam demitir funcionários. Outro, o Masterboi, de Nova Olinda (município da região norte do Tocantins), chegou a anunciar o fechamento caso a medida entre em vigor. Levantamento apresentado durante o 1º Fórum do Agronegócio do Tocantins, dia 11 deste mês, em Araguaína, apontou que o preço da carne vai subir, transformando o produto tocantinense no mais caro do Brasil.

CLIQUE NESTE LINK, OUÇA A ENTREVISTA E BAIXE O PODCAST DO NORTE AGROPECUÁRIO 

Apesar da reação contrária de pecuaristas, reajuste do ICMS para frigoríficos começa a valer nesta sexta-feira no Tocantins






Na sexta-feira, dia 13, o SRA enviou ofício à Assembleia Legislativa. No documento, além de audiência com deputados para conscientizar o governo a mudar de ideia, solicitou adiamento por 120 dias do início da medida. Nesta manhã, a Faet (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins) informou que protocolou na tarde de terça-feira, dia 17, no gabinete do governador Mauro Carlesse, ofício com pedido de audiência para discutir os temas “coronavírus” e “aumento de ICMS”. Até o momento, não há respostas, conforme as entidades.

DIÁLOGO NECESSÁRIO

Em entrevista ao Norte Agropecuário, Wagner Borges voltou a defender diálogo entre o governo estadual, produtores, representantes dos frigoríficos e setores varejistas, como supermercados e açougues. “A redução significativa dos impostos deve ser repassada ao consumidor. É momento de união, solidariedade e caridades com todos os irmãos, sejam produtores e população em geral para enfrentarmos essa grande crise de saúde pública e econômica”, afirmou Borges.

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

O PREÇO DA ARROBA

Ainda ao Norte Agropecuário, o presidente do SRA afirmou que há necessidade ainda de equacionar a relação dos frigoríficos com os frigoríficos. “A indústria vem se aproveitando da situação lamentavelmente tentando reduzir R$ 30 a arroba ao produtor e o mesmo preço nas gôndolas dos supermercados. E a exportação está em alta, batendo recorde”, disse o ruralista. “Os mercados demandando e o dólar subindo... E, ao mesmo tempo, [a indústria] vem derrubando o preço da arroba ao produtor. Isso que a gente tem que equacionar”, complementou.

Segundo ele, na última sexta-feira, dia 13, a arroba do boi era vendida a R$ 195,00 (com 30 dias para descontar 1.5% de Funrural). Hoje, o valor está R$ 170,00 nas mesmas condições para o boi e R$ 160,00 para a vaca.

VOLUME DE COMPRAS IRRISÓRIO

A Scot Consultoria divulgou nessa quarta-feira que nos dois primeiros dias dessa semana a quantidade de negócios foi praticamente nula e parte das indústrias abriram as compras ofertando preços profundamente abaixo da referência.

“Segundo levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, no caso do boi gordo, houve negócios em R$180,00/@, à vista e livre de Funrural, desvalorização de 11% frente a referência de sexta-feira última, ou queda de R$20,00/@. Vale ressaltar que, nesse caso, o volume de compras foi extremamente baixo”, apontou.

Seguindo a análise da Scot, “esse cenário também foi observado em outras regiões pecuárias, tais como no Pará, Mato Grosso do Sul e Tocantins, por exemplo, porém, assim como em São Paulo, o volume de compras foi irrisório”.

SAIBA MAIS

Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário