Criada em 18/03/2021 às 12h15 | Grãos

Instrução Normativa da Defesa Agropecuária autoriza agricultores do Estado do Tocantins a produzir sementes salvas

Produtor de soja poderá salvar sementes para uso próprio nas planícies tropicais. De acordo com os dados da Adapec, foram cultivadas na última safra nas planícies tropicais do Tocantins, 66.120 hectares, em 112 propriedades. Tocantins tem 11 empresas de pesquisa cientifica no segmento.

Imagem
Segundo a Adapec, a revisão visa adequar e atualizar as ações e medidas fitossanitárias para prevenção e controle da ferrugem asiática no Estado (foto: Adapec/Divulgação)



Clique no ícone acima e assista 


Recentemente, o jornalista Cristiano Machado
entrevistou, 
com exclusividade,  a ministra Tereza Cristina. 

 

Welcton de Oliveira
DE PALMAS (TO)

O governo do Tocantins, por meio da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), publicou na última terça-feira, 16, a Instrução Normativa (IN) nº 05 que atualiza o Programa Estadual de Controle da Ferrugem Asiática da Soja no Tocantins (PECFS) e institui as medidas e ações de profilaxia e controle da praga ferrugem asiática da soja no Estado do Tocantins.

Segundo o responsável técnico pelo Programa Estadual de Controle da Ferrugem Asiática da Soja no Tocantins, Cleovan Barbosa, a IN 05 trouxe algumas mudanças importantes para o plantio de soja na condição de excepcionalidades das planícies tropicais e para fins de pesquisa científica, que passam a valer a partir da data da sua publicação, entre elas: a possibilidade do produtor de soja salvar sementes para uso próprio nas planícies tropicais.

“Antes, a produção de soja com finalidade para sementes de soja nas várzeas tropicais estava restrita às sementeiras e pesquisa científica, e a partir de agora, o produtor de grãos dentro das normas que estabelece a legislação poderá produzir nas planícies tropicais sementes para cultivo nas suas lavouras, desde que efetue um cadastro antecipado na Adapec de acordo o que rege a norma federal para produção de sementes” explicou Cleovan.

VEJA TAMBÉM 

Conquista da Aprosoja-TO: agricultores comemoram autorização para uso de sementes salvas no Tocantins.

Aprosoja-TO inicia trabalho para revisar normas de exclusividade de plantio de sementes na região sul do Estado do Tocantins

De acordo com a Adapec, a revisão desta legislação foi feita com a contribuição do setor produtivo e órgãos parceiros, envolvendo representantes do segmento de pesquisa e dos produtores de soja do Tocantins. “Somos um dos grandes produtores de soja do país, por isso, revisamos esta legislação junto com o setor produtivo, possibilitando um melhor controle da ferrugem asiática para continuarmos aumentando a nossa produção de soja e evitando prejuízos aos sojicultores,” disse o presidente da Adapec, Paulo Lima.

Nas planícies tropicais foram feitas melhorias quanto ao uso de fungicidas para o controle da ferrugem asiática da soja, além disso, antecipa a data limite para colheita, em 25 de setembro e eliminação de soja tiguera até 05 de outubro.

A PESQUISA

No que tange às empresas de pesquisa de soja, a Adapec estabeleceu o cadastramento antecipado com deferimento do órgão para o cultivo de experimentos, também foram feitas melhorias fitossanitárias quanto ao uso de fungicidas para o controle da ferrugem asiática da soja, eliminação de soja tiguera em até 15 dias após a colheita por material, limitação de área para plantio de categoria de sementes genética em até 10 hectares por cultivares com data limite de até 20 de junho para semeadura.

Na avaliação de Cleovan, esta revisão feita pela Adapec visa adequar e atualizar as ações e medidas fitossanitárias para prevenção e controle da ferrugem asiática no Estado.

OS DADOS

De acordo com os dados da Adapec, foram cultivadas na última safra nas planícies tropicais do Tocantins, 66.120 hectares, em 112 propriedades.

No Tocantins existem 11 empresas de pesquisa cientifica no segmento de sojicultora e outros.

FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA

É a principal praga que acomete a oleaginosa, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. Ela dissemina rapidamente entre as plantações através do vento. Os maiores prejuízos causados é a redução da produtividade, já que causa desfolha precoce nas plantas, impedindo que os grãos de soja se formem completamente. (Da Adapec)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2021 Norte Agropecuário