Criada em 10/10/2019 às 20h33 | Pecuária

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema

Representantes do Governo e dos frigoríficos reuniram-se na tarde desta quinta, 10, para um entendimento quanto à alíquota do ICMS, após a suspensão do benefício fiscal, passando de 1% para 12%. Na reunião, o Estado propôs 4,5% de alíquota, mas o setor pediu que o índice seja de 1,8%.

Imagem
Reunião foi realizada na tarde desta quinta-feira, 10, entre o secretário da Fazenda e Planejamento (Sefaz), Sandro Henrique Armando, e os representantes dos frigoríficos (Foto João di Pietro/Governo do Tocantins)

A reunião realizada na tarde desta quinta, 10, entre os representantes dos frigoríficos que atuam no Tocantins e o secretário da Fazenda e Planejamento, Sandro Armando, terminou sem acordo. O impasse está no percentual da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O Estado quer o fim da isenção de impostos e propôs 4,5% de alíquota, mas o setor pediu que o índice seja de 1,8%.

A crise se arrasta desde que o Governo publicou uma portaria suspendendo os benefícios fiscais de 11 frigoríficos. A alíquota do ICMS passaria então de 1% para 12%. Com a suspensão, o Sindicato das Indústrias de Carnes Bovinas, Suínas, Aves, Peixes e derivados do Estado do Tocantins (Sindicarnes) afirmou que vários frigoríficos paralisaram suas atividades e que poderia faltar carne na mesa do consumidor.

Na última segunda-feira, 07, Armando em entrevista coletiva detalhou que, nos últimos cinco anos, os frigoríficos foram beneficiados com cerca de R$ 900 milhões em isenção fiscal direta. Mesmo assim, segundo o secretário, apenas nos últimos 12 meses essas 11 empresas foram autuadas em R$ 57 milhões por falta do recolhimento do tributo. O conjunto dessas autuações são a principal justificativa para a suspensão dos Termos de Acordo de Regimes Especiais (Tares).

Comissão

A comissão será montada nesta sexta-feira (11), sendo composta por integrantes do corpo técnico da Sefaz e três representantes de frigoríficos. Os nomes serão apresentados pelo Sindicarnes nesta sexta, assim como a definição do calendário de reuniões. O objetivo é preparar documento sobre legislação para o setor de carnes.

O secretário Sandro Henrique considerou que a ideia da comissão é um avanço que pode trazer bons resultados para os dois lados, já que intenção do Governo é promover um ajuste na qualidade tributária sem, no entanto, prejudicar a cadeia produtiva. (Com informações Governo do Tocantins)

 

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário