Criada em 28/04/2020 às 13h18 | Pesquisa

Plataforma digital com dados espaciais da região do Matopiba será útil nas ações de extensão rural e assistência técnica

Painéis visam complementar os dados do GeoWeb e fornecem estrutura de navegação guiada contendo mapas, tabelas e gráficos dinâmicos, passíveis de filtragem. São 4 temáticas: produção agropecuária, crédito rural, empregos formais relacionados à agropecuária e tecnologias da Embrapa.

Imagem
Considerada sem tradição forte em agricultura, a região do Matopiba tem chamado atenção pela produtividade crescente (foto: Evaristo de Miranda/Embrapa/Divulgação)

Alan Rodrigues dos Santos e Liliane Castelões
DE CAMPINAS (SP)

A Embrapa Territorial (SP) desenvolveu a plataforma digital GeoMatopiba, que disponibiliza, de forma integrada e gratuita, mapas e dados espaciais sobre a região que engloba a área de Cerrado dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A nova ferramenta complementa o GeoWeb Matopiba, sistema de inteligência territorial lançado em 2015, e traz como principal diferencial painéis interativos de navegação guiada sobre temas relevantes ao desenvolvimento da região, incluindo produção agropecuária, crédito rural, empregos formais e tecnologias da Embrapa. O objetivo é facilitar o diálogo entre diferentes públicos e apoiar ações de extensão rural e assistência técnica na região.

A plataforma conta com dois pontos de entrada: o GeoWeb Matopiba e os painéis interativos. O GeoWeb Matopiba é um sistema de inteligência territorial que hospeda cerca de 200 planos de informação cartográficos, em diferentes níveis territoriais, organizados nos quadros: natural, agrário, agrícola, de infraestrutura e socioeconômico.

Os painéis interativos, novidade lançada pela plataforma, visam complementar os dados do GeoWeb e fornecem uma estrutura de navegação guiada contendo mapas, tabelas e gráficos dinâmicos, passíveis de filtragem. Eles estão organizados em quatro temáticas: produção agropecuária, crédito rural, empregos formais relacionados à agropecuária e tecnologias da Embrapa. Essas temáticas foram sumarizadas em um painel agregador, ponto de entrada na plataforma, que provê um panorama geral da agropecuária regional entre os anos de 2013 a 2018, em nível municipal.

A plataforma foi publicada de forma integrada com o portal da Embrapa, o que garante uma interface adaptável para diferentes telas, podendo ser visualizada também em dispositivos móveis. Todos os dados estão disponíveis para download em diferentes formatos.

A ferramenta veio para completar uma lacuna de dados espaciais da região. É o que avalia Lucíola Magalhães, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Territorial e coordenadora do projeto de estruturação do GeoMatopiba.

Segundo ela, os novos dados, atualizados e disponibilizados de forma integrada e bastante acessível, buscam ampliar o acesso à informação pelos diferentes públicos e facilitar a tomada de decisão. “Para aqueles que querem atuar ou já atuam no Matopiba, essa ferramenta é uma oportunidade de facilitar diálogos e apoiar a extensão rural e a assistência técnica”, complementa a gestora.

LANÇAMENTO COMEMORATIVO

A plataforma interativa é um dos lançamentos da Embrapa durante a cerimônia virtual de comemoração do 47º aniversário da Empresa.

No fim de maio, a plataforma será apresentada aos secretários de Agricultura dos quatro estados componentes do Matopiba durante a Feira de Tecnologia Agropecuária do Tocantins (Agrotins). A apresentação faz parte de uma parceria entre a Embrapa Territorial e a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Aquicultura do Tocantins (Seagro).

DADOS ABRANGEM 100% DO QUANTITATIVO MUNICIPAL

O conteúdo dessa área temática apresenta a evolução mais recente da distribuição do quantitativo de produção de 100 produtos agropecuários presentes na região. Com o intuito de facilitar a navegação, eles foram organizados nas categorias: aquicultura (20 produtos); extrativismo (22); fruticultura (16); grãos (10); pecuária (10); produtos de pecuária (4); silvicultura (5); tubérculos, raízes e bulbos (5) e outras culturas (9).

As fontes de dados utilizadas nessa página temática são as pesquisas anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): Produção Agrícola Municipal - PAM (lavouras temporárias e permanentes), Pesquisa da Pecuária Municipal – PPM (efetivo de rebanho, produção de origem animal e aquicultura) e Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura - PEVS (extração vegetal e produção na silvicultura).

“O grande diferencial desses dados em relação àqueles disponibilizados no GeoWeb Matopiba é que aqui é mostrada 100% da produção identificada pelo IBGE nos últimos anos e em nível municipal. No GeoWeb Matopiba, somente são apresentados dados dos 65 produtos persistentes nos últimos 20 anos (1990 a 2012) e por microrregião”, explica a analista Jaudete Daltio, membro da equipe responsável pelos estudos da Embrapa Territorial.

PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA EM ASCENSÃO NO CERRADO

A expressão Matopiba resulta de um acrônimo criado com as iniciais dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia e identifica uma região de Cerrado com forte expansão agropecuária nas últimas décadas.

Considerada a grande fronteira agrícola nacional da atualidade, o Matopiba responde por boa parte da produção brasileira de grãos e fibras.

A área, até pouco tempo considerada sem tradição forte em agricultura, tem chamado atenção pela produtividade crescente.

O Matopiba reúne 337 municípios e abrange uma área de cerca de 73 milhões de hectares. Engloba mais de 324 mil estabelecimentos agrícolas, 46 unidades de conservação, 35 terras indígenas e 781 assentamentos de reforma agrária, segundo levantamento feito pelo Grupo de Inteligência Estratégica (GITE) da Embrapa.

Para cada produto, apresenta-se de forma gráfica a evolução temporal do volume produzido (quantidade produzida ou efetivo dos rebanhos, por exemplo), mostrando a contribuição de cada um dos estados do Matopiba. Cada estado pode ser selecionado individualmente e seus valores utilizados para a geração de uma nova visualização gráfica.

O painel permite reconhecimento de especificidades dos estados em relação à produção de determinados produtos. Por exemplo, se quiser a informação sobre a produção de pimenta-do-reino, em menos de um minuto navegando pela plataforma, o usuário terá condições de saber que de 2013 a 2017 apenas o Maranhão produziu essa cultura, e que em 2018 o Tocantins contribuiu com uma das 11 toneladas produzidas em todo o território.

É possível também explorar os dados de cada ano isoladamente. A partir da seleção de um ano de interesse, o volume produzido é apresentado em nível municipal, em mapa e tabela, nos quais cores mais fortes destacam os territórios com maior participação na quantidade produzida.

CRÉDITO RURAL 

O crédito é a principal demanda do produtor rural brasileiro, de acordo com pesquisa realizada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Os recursos financeiros, disponibilizados por entidades de crédito públicas e privadas, são destinados ao financiamento de despesas normais dos ciclos produtivos da agropecuária, investimento em bens e serviços, além de despesas nas atividades de comercialização e industrialização da produção.

O primeiro painel dessa página temática apresenta a distribuição dos valores nominais em reais (R$) de crédito rural destinados à região no período de 2013 a 2018, oriundos da Matriz de Dados do Crédito Rural, disponibilizados pelo Banco Central do Brasil. Esses dados estão segmentados em duas atividades principais: agrícola, relacionada ao plantio de culturas perenes e temporárias; e pecuária, associada à criação de bovinos, caprinos, aves e outros animais.

Além de divisão por atividade, cada operação de crédito está associada a uma das finalidades (custeio, investimento e comercialização). Os demais painéis apresentam uma visão territorial desses dados de acordo com cada uma dessas finalidades.

A localização, os valores e o tipo de recursos fornecem indícios sobre a dinâmica da agropecuária na região. De acordo com o analista André Farias, um dos componentes da equipe da Embrapa, a concessão de crédito para fins de investimento pode indicar um avanço da fronteira agrícola, mudança do modelo de negócio das propriedades rurais (alteração do tipo de cultura plantada ou o beneficiamento da cultura agrícola já estabelecida) ou ainda a tecnificação das culturas já existentes, com a aquisição de novas máquinas, equipamentos ou a construção de novas instalações.

O analista observa também que, em áreas agrícolas já estabelecidas, é usual a utilização do financiamento para fins de custeio, por se tratar apenas da manutenção da atividade já realizada nas propriedades. Empréstimos na área de comercialização podem apontar municípios onde se localizam e se concentram cooperativas, entrepostos comerciais ou tradings do setor agropecuário, oferecendo indicativos sobre a aproximação das culturas agrícolas no entorno desses centros comerciais.

EMPREGOS FORMAIS

O terceiro painel temático mostra a visão territorial e histórica dos vínculos empregatícios relacionados à atividade agropecuária nos municípios que compõem o Matopiba. Os dados são provenientes da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), mantida pelo Ministério da Economia. Os microdados da RAIS apresentam os registros de cada estabelecimento no Brasil.

Foram selecionados apenas dados relativos à agricultura, pecuária, pesca e aquicultura, produção florestal e fabricação de produtos alimentícios relacionados à agropecuária, conforme a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), desenvolvida pelo IBGE. Segundo Farias, a intenção foi apresentar um panorama da distribuição territorial e numérica dos empregos formais no Matopiba, permitindo ao usuário visualizar os vínculos em diferentes setores da agropecuária.

“As informações de emprego são estratégicas para a gestão pública, principalmente quando utilizadas como subsídio ao planejamento de políticas públicas de fomento às atividades econômicas, como também para o setor privado que tem a possibilidade de fazer uso desses números consolidados para articulação e organização das diferentes cadeias produtivas que atuam na região”, complementa o analista.

230 TECNOLOGIAS

A página temática de tecnologias apresenta os resultados de seleção e validação de 230 soluções tecnológicas (e suas respectivas publicações) pelas unidades da Embrapa atuantes na região. As tecnologias foram selecionadas do Catálogo de Tecnologias da Empresa, que atualmente conta com cerca de 3,5 mil soluções. Foram selecionadas aquelas recomendadas para a região do Matopiba segundo as cadeias produtivas agropecuárias persistentes na região entre 1990 a 2012. Também foram agregadas publicações relacionadas às tecnologias, que podem ser utilizadas como documentos orientadores para a adoção da solução pelo produtor.

Os dados podem ser explorados a partir de um produto agropecuário de interesse (39 produtos) ou a partir de um dos 337 municípios do Matopiba. As tecnologias podem ser filtradas de acordo com sua classificação (cultivar ou prática agropecuária, por exemplo) e, para cada uma delas, informa-se onde pode ser encontrada (endereço e telefone de contato da unidade da Embrapa responsável ou parceiro).

O intuito da espacialização dos dados foi aumentar a precisão da indicação de uso das tecnologias nas propriedades rurais, respeitando as especificidades e limitações territoriais que, porventura, a tecnologia possa apresentar em sua adoção na região. Para a analista Daniela Maciel, responsável pelo processo de identificação das soluções tecnológicas, os dados divulgados devem dinamizar a adoção das tecnologias da Embrapa para o Matopiba e estimular novas parcerias e negócios. (Da Embrapa Territorial)



VEJA TAMBÉM 

“Apesar dos esforços, comunicação do agro não conseguiu chegar na população e mostrar a importância do segmento”, diz ministra

Agro deve tratar comunicação como 'insumo' e mostrar à sociedade sua importância, dizem produtor e profissionais

Agricultor brasileiro é um dos que menos desmata no mundo

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Valor bruto da produção agropecuária do Estado do Tocantins neste ano deve ser de mais de R$ 9,7 bilhões

 

 

Norte Agropecuário no Rádio aborda queda no abate de gado e balanços econômicos de culturas agrícolas

“Não há políticas públicas de retenção dos bovinos; frigoríficos poderiam estar trabalhando na plenitude da capacidade”, diz Sindicarnes-TO

César Halum dá detalhes sobre realização da Agrotins 2020 de forma virtual 

CLIQUE AQUI E CONFIRA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO  

Após retração de 3,2% em 2019, Tocantins registra queda de 15% no abate de bovinos no primeiro trimestre deste ano de 2020

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

IBGE aponta queda de 3,2% no abate de bovinos no Estado do Tocantins no ano passado

Em três anos, mais de 2 milhões de cabeças de gado “somem” do Tocantins; Estado deixa de arrecadar meio bilhão de reais

Frigoríficos brasileiros abateram 1,019 milhão de bovinos em março; queda é de 47%, aponta Mapa

Recorde de exportações e análise do mercado do boi no Tocantins são destaques do Norte Agropecuário no Rádio na Jovem FM

“Sumiço” de 2 milhões de bovinos, produtividade do milho e técnica para plantio de mandioca são destaques no rádio

Técnica desenvolvida para piscicultura e reabertura do comércio da carne para EUA são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

 

 





Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema 

 








 

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário