Criada em 07/08/2019 às 11h20 | Pecuária

Lançada em 2018, obra do matadouro de Barrolândia segue sem previsão de começar; 100 empregos deixam de ser gerados

Seagro, após questionamento do Norte Agropecuário, informou que já “recebeu o parecer técnico de especialista responsável pelo projeto do Banco Mundial” e aguarda a chamada “não objeção” da instituição financeira para dar sequência aos trâmites burocráticos.

Imagem
Foto da unidade de Ponte Alta do Bom Jesus: Matadouro de Barrolândia faz parte de um conjunto de serviços que englobam outros estabelecimentos, com total previsto de gasto em torno de R$ 18 milhões (foto: Secom/TO/Arquivo)

Obra que foi lançada em 12 de junho de 2018 e que após um ano teve o contrato entre governo do Estado e empreiteira extinto, a construção do matadouro de Barrolândia, na região central do Tocantins, segue sem previsão de ser iniciada. Nem mesmo a nova licitação tem prazo para ser oficializada. 

O trabalho estava orçado em mais de R$ 1,2 milhão e faz parte de um conjunto de serviços que englobam outros matadouros, com total previsto de gasto em torno de R$ 18 milhões. Com capacidade de abater 50 cabeças de bovino por dia, os matadouros estariam sendo construídos nos municípios de Ananás, Araguanã, Arapoema, Campos Lindos, Novo Acordo, Ponte Alta do Bom Jesus e Wanderlândia.

Veja também:

Governo do Estado e empreiteira extinguem contrato de R$ 1,2 milhão para construção de abatedouro em Barrolândia

Barrolândia: Lançada em 2018, obra do matadouro nem começou, diz prefeito; atraso impede criação de mais de 100 empregos

Estado anuncia investimento de R$ 17,2 milhões para construção de matadouros em 8 cidades; obras ainda não começaram

Oito matadouros serão construídos no Tocantins, anuncia governo do Estado

Governo anuncia fim de processo para compra de equipamentos, mas situação de Barrolândia segue indefinida

Questionada pelo Norte Agropecuário, a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura do Tocantins (Seagro) informou que já “recebeu o parecer técnico de especialista responsável pelo projeto do Banco Mundial” e aguarda a chamada “não objeção” da instituição financeira para dar sequência aos trâmites burocráticos. “Estamos aguardando o parecer final (não objeção) do Banco Mundial para prosseguimento do certame”, respondeu a Seagro, por meio de sua assessoria de comunicação.

Perguntada sobre qual a previsão da nova licitação, a Seagro informou: “Após o recebimento do parecer final (não objeção) do Banco Mundial, o processo para a nova licitação será encaminhado à Comissão Permanente de Licitação (CPL) da Secretaria de Infraestrutura, Cidade e Habitação (Seinf)”.

CONTRATO EXTINTO

O fim do contrato foi oficializado pelo governo do Estado em 29 de junho deste ano, como informou o Norte Agropecuário. O distrato número 01/2009 foi feito entre a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura e Nasa Construtora LTDA. O valor exato da obra era de R$ 1.208.320,63. Ainda conforme o extrato publicado no Diário Oficial, o distrato foi feito “amigavelmente” e não terá “despesas a pagar” e nem mesmo “obra a receber”. “Dado a vontade das partes, os Distratantes anuem em extinguir amigavelmente como de fato e de direito a presente relação contratual pondo fim ao mesmo a partir da assinatura do presente Distrato, nos termos do artigo 79, inciso II, da Lei 8.666/93, não havendo despesas a pagar, nem obra a receber”, justificou, oficialmente, o governo do Estado.

MENOS 100 EMPREGOS

Em junto deste ano, o Norte Agropecuário ouviu o prefeito da cidade, Adriano Ribeiro, que informou: com o fim das obras, 100 vagas de trabalho diretas e indiretas deixaram de ser geradas. “A obra não chegou nem a se iniciar e a construtora desistiu. A proposta [foi considerada pela empresa] muito baixa, eles disseram que não davam conta de fazer e desistiram. Era para entregar em agosto. Agora ficou para junho do ano que vem. Aliás, falam em agosto, mas era para concluir em dezembro”, disse, na época, o gestor.

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário