Criada em 24/03/2020 às 19h52 | Pecuária

Após vigência de reajuste, Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Nova alíquota está em vigor desde sexta-feira, dia 20. No último dia 13, o Sindicato Rural de Araguaína oficializou pedido de audiência na Assembleia Legislativa. O adiamento por 120 dias da cobrança é uma das ideias. Já a Faet quer reunião com governador Mauro Carlesse.

Imagem
O aumento de 1% para até 4% do imposto para a indústria da carne começou a vigorar na última sexta-feira, dia 20 (foto: SeagroTO/Divulgação)






Três dias depois do início da vigência do reajuste, a Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (FIETO) divulgou comunicado à imprensa em que anuncia a solicitação do adiamento por 180 dias da cobrança do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos frigoríficos tocantinenses. A solicitação está elencada entre muitas reivindicações da federação ao Palácio Araguaia e prefeituras em razão da paralisação das atividades econômicas provocadas pela pandemia do coronavírus no Brasil. 

O aumento de 1% para até 4% do imposto para a indústria da carne começou a vigorar na última sexta-feira, dia 20. Com o reajuste, alguns frigoríficos planejavam demitir funcionários. Outro, o Masterboi, de Nova Olinda (município da região norte do Tocantins), chegou a anunciar o fechamento caso a medida entre em vigor. Levantamento apresentado durante o 1º Fórum do Agronegócio do Tocantins, dia 11 deste mês, em Araguaína, apontou que o preço da carne vai subir, transformando o produto tocantinense no mais caro do Brasil.

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

No último dia 13, o Sindicato Rural de Araguaína (SRA) enviou ofício à Assembleia Legislativa. No documento, além de audiência com deputados para conscientizar o governo a mudar de ideia, solicitou adiamento por 120 dias do início da medida. Na sexta-feira, dia 20, a Faet (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins) informou que protocolou na tarde de terça-feira, dia 17, no gabinete do governador Mauro Carlesse, ofício com pedido de audiência para discutir os temas “coronavírus” e “aumento de ICMS”.

SAIBA MAIS

Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema





Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário