Criada em 23/03/2020 às 12h21 | Comunicação

“Nós não podemos parar, seria uma catástrofe”, diz presidente da Aprosoja-TO sobre impactos do coronavírus no agronegócio

Maurício Buffon também comentou a necessidade de se proteger da melhor forma possível contra o novo coronavírus e comentou as medidas restritivas das autoridades para tentar impedir a proliferação do vírus que em três meses já matou mais de 11 mil pessoas no mundo.

Imagem
O presidente da Aprosoja-TO, Maurício Buffon: “Se os agricultores, que estão em plena safra pararem, em 30 dias haverá desabastecimento” (foto: Arquivo/Divulgação)


Clique no ícone acima e ouça a entrevista

DANIEL MACHADO
DE BRASÍLIA (DF)

Em entrevista ao Norte Agropecuário no Rádio, o presidente da Aprosoja-TO(Associação de Produtores de Soja e Milho do Tocantins), Maurício Buffon, afirmou que os agricultores e pecuaristas não podem parar. “Seria uma catástrofe”, ressaltou.

Para ele, se os agricultores, que estão em plena safra pararem, em 30 dias haverá desabastecimento. Ele também falou de toda a situação, com destaque para fornecedores e funcionários a serem pagos.

Buffon também comentou a necessidade de se proteger da melhor forma possível contra o novo coronavírus e comentou as medidas restritivas das autoridades para tentar impedir a proliferação do vírus que em três meses já matou mais de 11 mil pessoas no mundo.

SAIBA MAIS:

Impactos do coronavírus no campo e o “Compre dos Pequenos” são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

Solidariedade: Lista ajuda pequenos produtores e comerciantes a obter clientes e vender alimentos

Para Ricardo Khouri, medidas de restrição são acertadas, mas há alguns exageros; ele não acredita em desabastecimento

“Não podemos parar, seria uma catástrofe”, diz presidente da Aprosoja-TO sobre impactos do coronavírus no agronegócio



Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário