Criada em 04/09/2021 às 20h49 | Pecuária

Exportações de carne para a China são suspensas após Ministério da Agricultura confirmar casos de vaca louca em Mato Grosso e Minas

Brasil notificou a OIE da ocorrência. No caso da China, a medida, que passa a valer a partir de deste sábado, ficará em vigor até que as autoridades chinesas concluam a avaliação das informações já repassadas sobre os casos. “Não há risco para a saúde humana e animal”, diz o Mapa.

Imagem


Clique no ícone acima e confira o programa de rádio

Andreia Verdélio
DE BRASÍLIA (DF)

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou neste sábado (4) a ocorrência de dois casos atípicos de encefalopatia espongiforme bovina, conhecida como o mal da vaca louca, em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG). A confirmação foi feita nessa sexta-feira (3) pelo laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Alberta, no Canadá.

De acordo com a pasta, todas as ações sanitárias de mitigação de risco foram concluídas antes mesmo da emissão do resultado final pelo laboratório. “Portanto, não há risco para a saúde humana e animal”, destacou, em nota.

Os dois casos atípicos, um em cada estabelecimento, foram detectados durante a inspeção realizada antes do abate dos animais. “Trata-se de vacas de descarte que apresentavam idade avançada e que estavam em decúbito [deitadas] nos currais”, explicou.

Exportações suspensas

Conforme preveem as normas internacionais, o Brasil também notificou oficialmente a OIE da ocorrência. No caso da China, em cumprimento ao protocolo sanitário firmado entre o país e o Brasil, as exportações de carne bovina ficam suspensas temporariamente. A medida, que passa a valer a partir deste sábado (4), ficará em vigor até que as autoridades chinesas concluam a avaliação das informações já repassadas sobre os casos.

O país asiático é o principal destino da carne brasileira, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). No mês de julho foram exportados 91.144 toneladas do produto, crescimento de 11,2% em relação ao mesmo mês de 2020, com alta de 19,1% nas receitas, somando US$ 525,5 milhões. No acumulado, de janeiro a julho de 2021, os embarques para a China já somam 490 mil toneladas e receitas de US$ 2,493 bilhões, crescimento de 8,6% e 13,8%, respectivamente, no comparativo com o mesmo período de 2020.

Classificação de risco

O Mapa esclareceu ainda que a OIE exclui a ocorrência de casos atípicos da vaca louca para efeitos do reconhecimento do status oficial de risco do país. “Desta forma, o Brasil mantém sua classificação como país de risco insignificante para a doença, não justificando qualquer impacto no comércio de animais e seus produtos e subprodutos”, completou.

Segundo o ministério, estes são o quarto e quinto casos atípicos da doença registrados em mais de 23 anos de vigilância do país. Eles ocorrem de maneira espontânea e esporádica e não estão relacionados à ingestão de alimentos contaminados. A pasta destacou que o Brasil nunca registrou a ocorrência de caso clássico do mal da vaca louca. (Da Agência Brasil)

Confira a nota na íntegra:

Nota de Esclarecimento

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma a ocorrência de dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) - conhecida como o “mal da vaca louca” - em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG).

Estes são o quarto e quinto casos de EEB atípica registrados em mais de 23 anos de vigilância para a doença. O Brasil nunca registrou a ocorrência de caso de EEB clássica.

A EEB atípica ocorre de maneira espontânea e esporádica e não está relacionada à ingestão de alimentos contaminados. Todas as ações sanitárias de mitigação de risco foram concluídas antes mesmo da emissão do resultado final pelo laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Alberta, no Canadá. Portanto, não há risco para a saúde humana e animal.

Os dois casos de EEB atípica - um em cada estabelecimento - foram detectados durante a inspeção ante-mortem. Trata-se de vacas de descarte que apresentavam idade avançada e que estavam em decúbito nos currais.

Após a confirmação, na data de 3/9/2021 em Alberta, o Brasil notificou oficialmente à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), conforme preveem as normas internacionais. No caso da China, em cumprimento ao protocolo sanitário firmado entre o país e o Brasil, ficam suspensas temporariamente as exportações de carne bovina. A medida, que passa a valer a partir deste sábado (4), se dará até que as autoridades chinesas concluam a avaliação das informações já repassadas sobre os casos.

O Mapa esclarece que a OIE exclui a ocorrência de casos de EEB atípica para efeitos do reconhecimento do status oficial de risco do país. Desta forma, o Brasil mantém sua classificação como país de risco insignificante para a doença, não justificando qualquer impacto no comércio de animais e seus produtos e subprodutos.



 
Clique no ícone acima e assista a primeira parte da
reportagem sobre o Sítio Estiva, em Palmas (TO)

Clique no ícone acima e confira a segunda parte da reportagem
especial sobre o trabalho de Anízio Moura Filho e dona Maria Santa 

CONFIRA TAMBÉM 

Empreendedorismo rural: Matemático e professora deixam profissões, passam a se dedicar ao campo e, em meio à pandemia, hoje administram sítio

Em meio à pandemia, conceitos básicos do empreendedorismo guiam casal Anízio e dona Maria Santa

CLIQUE NESTE LINK E CONFIRA OUTRAS REPORTAGENS SOBRE O TEMA 

Balde Cheio em Rede tem ajudado a mudar hábitos em propriedades que se dedicam à pecuária leiteira no Tocantins e Pará


Clique no ícone acima e confira o programa de hoje


Clique no ícone acima e confira o programa de rádio

 
Clique no ícone acima e confira a entrevista


Clique no ícone acima e confira a reportagem


Clique no ícone acima e ouça a entrevista


Clique no ícone acima e confira o programa


Clique no ícone acima e ouça a entrevista

Sicredi Rio Paraná PR/SP disponibiliza R$ 150 milhões para produtores rurais da região no Plano Safra

Com “Drive Rural”, Sicredi Rio Paraná PR/SP leva informações do Plano Safra a produtores

Assessor da Sicredi Rio Paraná PR/SP detalha seguro agrícola e dá orientações a produtores rurais

CLIQUE NESTE LINK E CONFIRA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE SICREDI 


Clique no ícone acima e assista a entrevista

“Modelo cooperativo é diferencial para concessão de crédito a produtores rurais com menos burocracia”, afirma executivo

Agricultores devem encontrar nos bancos agilidade e eficiência na liberação de crédito para fomentar a produção no campo

Nova opção para atendimento dos cooperados: Sicredi inaugura agência em Araguaína, no norte do Tocantins.

“Somos parceiros do agricultor; Temos como objetivo de fazer com que ele cresça”, afirma presidente da Sicredi Rio Paraná PR/SP.


Clique no ícone acima e assista a entrevista


 
Clique no ícone acima e confira o programa de rádio 

 
Clique no ícone acima e confira o programa de rádio

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2021 Norte Agropecuário