Criada em 05/07/2017 às 11h25 | Pecuária

“Se tem crise, está na hora de toda cadeia reduzir seu lucro, não só o pecuarista”, afirma diretor do Sindicato Rural de Araguaína

Nesta quarta-feira, discutem a mobilização da categoria para colocar em prática as reivindicações e cobrar os responsáveis. Entre as medidas defendidas pelo grupo estão: não vender para frigoríficos o gado abaixo de R$ 130 a arroba e redução da alíquota do ICMS.

Imagem
Wagner Borges: "Com 55% de ociosidade ficam mais bois retidos nas mãos dos pecuaristas. Não tem razão disso" (foto: Divulgação)

Ao avaliar a repercussão do anúncio do movimento “abate zero”, principalmente após a manifestação do sindicato que representa os frigoríficos, o diretor do Sindicato dos Produtores Rurais de Araguaína (SRA), Wagner Borges, declarou que a iniciativa não tem objetivo de confrontar a indústria processadora da carne, mas “equacionar a cadeia produtiva”.
“Se tem crise, está na hora de toda cadeia reduzir seu lucro, não só o pecuarista. Se quebra uma parte da cadeia, toda a cadeia se arrebenta. E o melhor é que o consumidor fosse o beneficiado”, afirmou Borges.

Ele deixou clara a relação entre pecuarista e frigoríficos referente à questão: "Nosso movimento não é um movimento contra os frigoríficos. É um movimento para recompor o valor da arroba do boi. No ano passado era pago R$ 133. O que queremos é voltar aos parâmetros. Não pedimos nada mais que o que pode ser pago pela indústria".

Para Borges, o objetivo é buscar o equilíbrio porque neste momento tanto pecuaristas e membros da indústria “sabem como é difícil tocar uma fazenda nesses patamares". “Se houver desemprego, vamos desempregar mais: no campo, no comércio, na indústria de insumos, nas oficinas, enfim, em todo o emprego direto e indireto que a pecuária gera e também a indústria.”

A manifestação do diretor do SRA, que ao lado de outros pecuaristas lidera o movimento, ocorre após entrevista do presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Carnes Bovinas, Suínas, Aves, Peixes e Derivados (Sindicarnes), Oswaldo Stival Júnior. Entre outras questões, ele declarou que o “Sindicarnes está atento às decisões que atendam somente um elo da cadeia sem analisar todos integrantes” e que a entidade quer participar das discussões entre pecuarista e governo do Estado.

Stival Júnior também abordou a questão da contenção do gado no pasto, que o movimento chama de “abate zero”. “As indústrias instaladas no Estado têm capacidade de abater 2.000.000 cabeças/ano e só abate 900.000 cabeça/ano por falta de matéria-prima. Se falta como podemos concordar com a saída de mais animais acabados para abate do Estado? Creio que 55% de ociosidade das indústrias não é possível”, disse.

Para o diretor do SRA, esse tema levantado pelo Sindicarnes deve ser debatido também no momento. “Com 55% de ociosidade ficam mais bois retidos nas mãos dos pecuaristas. Não tem razão disso. Poderia muito bem reduzir os abates e baixar a margem de lucro. Isso é jogada de mercado para diminuir o preço da arroba ofertada ao produtor e ao mesmo tempo segurar ou subir o preço da carne. Na gôndola subiu e para o produtor está uma defasagem monstruosa”, comentou.

MOBILIZAÇÃO DOS PECUARISTAS 

Na noite desta quarta-feira, 5, os pecuaristas voltam a se reunir. Agora, para discutir a mobilização da categoria para colocar em prática as reivindicações e cobrar os responsáveis. Entre as medidas defendidas pelo grupo estão: não vender para frigoríficos gado abaixo de R$ 130 a arroba e redução da alíquota do ICMS ( Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) para venda de gado do Tocantins para outros Estados. Atualmente, o índice é de 7%. Os criadores sugerem índice em torno de 3%. Essas são as principais pautas de reivindicação.

LEIA TAMBÉM

Pecuaristas discutem nesta quarta plano de ação e mobilização sobre reivindicações 

Criadores de gado seguram boi no pasto e querem redução de alíquota do ICMS

Governo do Estado afirma que redução do ICMS requer estudo de impactos

Após queda no preço do boi, pecuaristas discutem crise do setor no Tocantins

Sindicarnes diz estar atento a decisões e quer discutir crise da pecuária

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2017 Norte Agropecuário